terça-feira, 4 de abril de 2017

Porque estou indo para os Estados Unidos

Oi!
O motivo dessa viagem é bem peculiar e muito importante: eu e outros dois amigos iremos representar a UFPR em um concurso internacional de arquitetura eficiente!

Desde 2014 o Departamento de Energia dos Estados Unidos inspira e desenvolve a nova geração de profissionais da área da construção residencial, dando a oportunidade de iniciar suas carreiras em energia limpa e gerar soluções criativas para o mundo real, através do desafio de criar casas net zero energy, ou seja, com zero consumo de energia proveniente da concessionária.
No primeiro ano participaram 28 equipes de universidades americanas e canadenses; em 2015 se apresentaram 33 times também americanos e canadenses; em 2016 o número caiu um pouco para 31 e em 2017 foram inscritos 52 projetos na primeira etapa, dos quais temos participação inédita representando o Brasil além de uma Universidade Canadense e outra da Índia. 

A competição baseia-se em um cenário real, onde o construtor precisa atualizar sua linha de produtos existentes para um projeto de casa de alto desempenho, tendo como obrigatoriedade atingir as especificações do DOE Zero Energy Ready Home, o grande patrocinador do evento. As equipes são encorajadas a serem multidisciplinares, com assessoria da indústria local, para ajudar na tomada de decisões de forma coerente e com grande abrangência. O concurso é dividido em 4 categorias: __

Nosso projeto foi motivado pela ideia de que uma casa auto eficiente e viável na nossa cidade, pois Curitiba precisa melhorar na área de habitação sustentável, a fim de desenvolver um mercado mais forte nesta área, para que os custos das iniciativas verdes sejam menores e, portanto, mais acessíveis a toda a população.
Com o Sobrado Solar queremos mostrar que já é possível ter uma casa confortável em termos acústicos e térmicos, com acessibilidade e flexibilidade e que seja feita mais rápido do que o normal, já que as residências de alvenaria no Brasil levam mais de um ano para estarem prontas. Além de todos os benefícios ambientais e econômicos que a coleta de água da chuva e energia solar produzida trazem aos moradores e também à cidade.
O Brasil é muito tradicionalista e tem grande resistência na adoção de novas técnicas e materiais, mas quando o consumidor brasileiro pode ver e "sentir os resultados no bolso", abre-se um novo mercado.
Também é necessário mudar a visão sobre residências de madeira no Brasil. Historicamente, as casas de madeira eram mais pobres, com menos infra-estrutura, menos conforto, mais suscetíveis ao tempo e às pestes porque, na verdade, eram casas de pessoas mais humildes que não tinham muito dinheiro. Ao longo do tempo, ter uma casa "material", como nos referimos ao tijolo, tornou-se um símbolo de status social. Assim, queremos quebrar esse paradigma e mostrar todos os benefícios do woodframe e como o conjunto de sistemas e camadas que o compõem são eficientes.
O modo de vida está mudando muito rápido, o boom dos apartamentos, cada vez menores, tem trazido maus efeitos sobre a qualidade de vida da população. Os edifícios não são pensados ​​de melhor insolação ou ventilação natural, muito menos sobre a qualidade do ambiente, além de que muitas vezes as pessoas não têm espaços externos para desfrutar. O Sobrado Solar foi projetado para restaurar os laços com o meio ambiente através do jardim comum, plantas, hortas, boa insolação, boa ventilação e também aumenta o contato com o vizinho, algo que não é tão comum em Curitiba. Este espaço partilhado é para todos, desde os idosos às crianças, ter os seus momentos em segurança, sem ter que, necessariamente, de sair de casa.


Objetivos:
O projeto foi pensado para permitir que tipos de famílias variáveis ​​vivam na casa, pois há uma relação custo - benefício favorável para diferentes faixas etárias e estilos de vida. Há um quarto extra com casa de banho no primeiro andar, que pode ser usado para os hóspedes, e são acessíveis, podendo ser usados por idosos ou pessoas com deficiência de locomoção. Além disso, esse quarto também pode ser usado como um escritório em casa.
A sustentabilidade foi um princípio que orientou a escolha das técnicas de construção, materiais e fornecedores, buscando o menor impacto natural. O grau em que tais decisões foram tomadas torna a casa inovadora no seu contexto:
- utilizando uma estrutura em madeira;
- adoção de cisterna para a captação das águas pluviais;
- usar cisterna como fonte ou dissipador de calor para um controle climático de baixa energia;
- eliminação do reservatório de água elevado, permitindo um volume de telhado único;
- tornando todo o telhado uma superfície fotovoltaica, isolada termicamente, em vez de laje de concreto e telhas.
- proporcionar um único quintal para todas as unidades de habitação, recriando um sentido de comunidade;
- implementação de composteiras e outros equipamentos comunitários
Apesar das limitações de projeto, a equipe cuidou, em primeiro lugar, do conforto em termos de iluminação natural, temperatura, umidade, insolação, qualidade do ar e acústica e, em segundo lugar mas não menos importante, para uma agradável estética. Tudo foi planejado por uma equipe multidisciplinar de engenheiros e estudantes de arquitetura e engenharia, em parceria com fornecedores especializados, dispostos a trazer inovação significativa para Curitiba e a proporcionar um bom exemplo de qualidade de vida de forma mais sustentável. A casa foi elevada do solo por razões de ciclo térmico e de umidade, mas também como medida preventiva para a vulnerabilidade ambiental mais comum: inundação, que pode ser devido à topografia, além do fato de que os sistemas urbanos drenados são subjugados por água coletada em superfícies maciçamente seladas.


Esse projeto foi escolhido entre os finalistas que irão se apresentar pessoalmente para o júri e concorrer como vencedores de categorias e grande vencedor. 
A UFPR nos deu todo o apoio, desde financeiro até com aulões de inglês avançado com nativos e pessoas da área da construção, de forma a nos preparar para a apresentação da melhor forma possível e possamos fazer um bom trabalho como pioneiros na competição, trazendo como frutos não somente a experiência como também o aprendizado, as inovações, possíveis parcerias e claro, abrir as portas para que o Brasil seja mais representado nessa e em outras competições internacionais. 

Eu estou muito honrada em poder estar participando dessa etapa, muito ansiosa para a apresentação e me sentindo muito sortuda em ter tido essa oportunidade. Torçam por nós! ♥

Matéria da Gazeta do Povo: Haus
Matéria para UFPR TV: Youtube
Projeto: Behance

Autores do projeto:
Alessandra Veiga | Daniel Ussuna | Heloise Cezario | Juliana Hirayama | Juliana Macedo | Karoline Richter | Larissa Shinohara | Louisy Spak | Renatto Carvalho | Vitor Fernandes | Orientação do prof. Aloísio Schmid

quarta-feira, 29 de março de 2017

Visto Americano - procedimentos

Oi!
Tirar visto é sempre um momento de tensão, sempre passa a possibilidade de todo o planejamento ir por água abaixo por conta do visto negado, e acho que para os Estados Unidos é mais "temido" ainda pelo procedimento demorado e burocrático. Vou tentar explicar resumidamente cada uma das etapas e linkar as melhores explicações mais detalhadas!

1) Primeiro de tudo, é necessário preencher o formulário DS-160, seja qual for o tipo de visto que irá ser solicitado, desde que seja não - imigrante. O site é esse aqui, preste muita atenção em todas as etapas desse formulário, não é difícil mas por ser extenso, alguma coisinha pode passar batida.
São várias etapas de preenchimento, uma revisão dos campos preenchidos e por fim sai um pdf com código de barras que deve ser levado consigo no dia do agendamento no CASV -  Centro de Atendimento de Solicitante ao Visto.
*Esse site explica detalhadamente cada etapa do formulário, se segui-lo não tem erro.
1.1) Tipos de visto:
A1/A2: funcionários do governo ou diplomatas
A3: para empregadas domésticas
B1: negócios, para quem vai participar de evento
B2: turismo ou tratamento médico
C1: viajantes em conexão nos eua
C1/D: tripulantes de avião e navio em conexão nos eua
E: investidores/comerciantes
F1: estudantes vocacionais ou acadêmicos
H: trabalhos temporários e estágios
I : jornalistas e pessoal da mídia
J: intercâmbio
K: noiva/o de cidadãos americanos
L: trabalhadores temporários que foram transferidos
O/P: atletas, habilidades em ciências ou artes
Q: intercâmbio cultural
R: religiosos

2) Com o formulário preenchido, deverá dar início ao agendamento do CASV e do Consulado. O site é esse aqui, e você deve primeiro fazer um cadastro e depois acessar com sua nova conta. Nesse site será gerado o boleto/pagamento em cartão de crédito da taxa do visto, e com o pagamento aprovado é possível fazer o agendamento nos estabelecimentos.
A grande pegadinha é aqui: você deve se apresentar primeiro no CASV, onde vão coletar as informações biométricas, e só depois (geralmente no dia seguinte) ir no consulado, onde se dá a entrevista de fato. Porém, para realizar o agendamento, aparece primeiro o consulado e depois o casv, você deve colocar o CASV sempre um dia antes do que colocou no consulado! Exemplo: se marcar o consulado dia 21/03/17, marque o CASV no dia 20/03/17. É necessário levar as páginas do agendamento impressas, assim como o passaporte válido, a confirmação do formulário DS-160, e a documentação referente ao seu tipo de visto (que sai no pdf da confirmação do agendamento).
*Aquele mesmo site explica como fazer o pagamento da taxa aqui e como agendar as visitas aqui.
2.2) Taxas do visto:
A1/A2, A3 = sem taxa
B1, B2, C, D, F, J, I, M = U$160,00
H, L, O, P, Q, R= U$190,00
E = U$205,00
K = U$240,00

Até aqui eu já tinha errado uma vez: eu selecionei sem querer Brasília como posto consular no início do DS-160 e agendei para São Paulo no outro site, e só percebi dois dias antes da entrevista. Óbvio que o medo de ter perdido os R$500 de taxa e ter que reagendar para alguma data muito pra frente me deixou relativamente em pânico. Mas calma, se acontecer com você também, é só refazer o formulário DS-160, cancelar e refazer o agendamento com o novo número do DS-160. Eu tive sorte de conseguir pro mesmo dia que tinha marcado anteriormente, mas fica aí a dica para prestar muita atenção e revisar mais de uma vez todo o formulário, por mais chato que seja. 

3) A ida ao CASV: meu horário era 7:15h e o lugar abriu logo que chegamos e no meu caso foi muito rápido, 7:40h a gente já estava indo embora. No CASV eles só fazem a biometria e tiram a foto do visto, precisa levar apenas a confirmação do DS 160, as folhas do agendamento e o passaporte.
3.1) Assim que chegamos fomos abordados por umas mulheres com crachá do ponto consular, mas o CASV não tem funcionários atendendo fora do edifício, logo não se responsabiliza por nenhum dano que a pessoa pode sofrer ao entregar algum documento, pagar por algum serviço, etc.
3.2) Logo ao lado tem uma lan house e estacionamento e eles cobram muuito caro porque são os únicos próximos que imprimem ou tem computadores disponíveis. Indico fortemente a levar tudo já impresso certinho!

4) Por fim a ida no consulado, que eu achei que seria terrível, foi super tranquila!  É um edifício bem bonito no meio do nada, mas as entrevistas e atendimentos são todos em guichês num galpão, bem diferente do que estava esperando... Chegamos 7:45h, nosso horário 8:10h, tinha umas filas enormes e achei que ficaríamos nelas já que avisam várias vezes para não chegar adiantado, porém fomos encaminhados pra fila mais curta e rápida. A ordem dos nossos nomes estava errado* e tivemos que corrigir numa outra fila antes de ir pra entrevista, e tudo isso demorou 40 minutos no total, muuito rápido!
A entrevista, para mim, foi menos de 1 minuto: a única pergunta que fizeram foi se eu já tinha saído do Brasil, não olharam meu passaporte, meus documentos, nada... Já a entrevista do meu amigo foi mais tensa, fizeram muitas perguntas até sobre o pai dele, além da grosseria gratuita, mas no fim também foi aprovado.
4.1) A negação do visto, o principal motivo de tensão nesse processo, tem alguns motivos listados, porém ela é arbitrária, depende do agente que te atender no guichê. Os principais motivos são: não conseguir provar quem vai pagar a viagem, não provar vínculos aqui no Brasil, mentir ou errar no formulário, pessoas com perfil inelegível (portadores de doenças infectocontagiosas, condenados de crimes, envolvimento com terrorismo, e outros que possam ser prejudiciais à segurança nacional) e má conduta na entrevista, nervosismo, não saber responder as perguntas de forma clara e precisa pode ser considerado "suspeito" pelo agente.
Caso seja negado por não convencer os vínculos ou custeio da viagem, o requerente pode pedir uma nova tentativa e começa o processo do zero, inclusive pagando nova taxa e realizando um novo agendamento. Já se foi negado pela falta de documentos comprobatórios, é só enviar o que falta dentro do prazo e não precisa pagar nada a mais.
4.2) Não pode levar nenhum aparelho para o consulado, nem mesmo entrar com ele desligado, e já me disseram que até chave do carro foi barrada. Eu não vi lugar nenhum pra deixar no próprio consulado, então não arriscaria levar nada a ter que pagar um guarda volumes sei lá onde por um preço altíssimo.
*O jeito certo de escrever o nome é:
-se seu nome for Maria Santos Araújo: Santos Araújo, Maria.
-se seu nome for Carmem Maria Santos Araújo: Santos Araújo, Carmem Maria.
No formulário tem exemplos de como escrever e não é desse jeito! E não fomos apenas nós quem erramos, tinham várias pessoas na mesma fila que a gente... 

5) A chegada do visto: lá no consulado diz que chega em 10 dias úteis e para não entrar em contato com perguntas e dúvidas sobre a chegada antes desse prazo. Incrivelmente o nosso estava em Curitiba dois dias depois! Mas eu que sou sortuda, passei ainda pelo erro "objeto mal encaminhado" dos correios, mas chegou no dia seguinte!

Espero que esse post ajude nesse processo, que não é tão complicado nem tenebroso mas que tem uma má fama muito grande e exige muita atenção!
Um beijo!

sábado, 11 de março de 2017

Conexão POA-CWB

Quase minha segunda casa, Porto Alegre sempre tem algo incrível para se fazer e nós sempre planejamos conhecer alguma coisa nova por lá. Dessa vez consegui passar um tempo a mais e deu pra fazer alguns dos passeios que estavam na lista! O tempo ajudou muito, estava super ensolarado e fomos olhar a cidade pelo ângulo de ciclistas ♥ 

 
#partiu | Melhor coisa que as companhias aéreas fizeram por mim: café a bordo

Travessa dos Venezianos
Desde que o Olie me falou desse lugar, eu estava louca para ir... Na verdade já chegamos a passar lá umas 3 vezes, mas nunca dava para tirar fotos e dessa vez deu!!
A Travessa fica perpendicular a R. Joaquim Nabuco -que tem meu bar preferido, o Boteco do Joaquim- na Cidade Baixa, é uma pequena rua com 17 casinhas do início do século XX, hoje tombadas, que refletem a arquitetura popular da época, casas de pé direito alto, platibandas (elemento que esconde o telhado) com portas e janelas voltadas para a rua, habitada originalmente por jornaleiros, carvoeiros e outros profissionais 'menos prestigiados'. Apareceu no mapa só em 1935.
Hoje a Travessa, apesar de estar tombada, está muito mau cuidada, não tem iluminação pública, as casas parecem estar meio abandonadas -e de fato estão, porque apenas 5 são habitadas-, o calçamento original de 1926 foi destruído por conta da passagem de carros, sem contar os prejuízos do vandalismo. 




Apesar de lembrar a famosa ilha de veneza, Burano (que eu já mostrei aqui e  aqui), o nome da ruela se dá ao fato de que quando chovia muito, a rua ficava alagada, lembrando o canal de Veneza. Outra hipótese é para ser uma homenagem a uma associação de carnaval, a Sociedade dos Venezianos.
As cores atuais não refletem as originais, foram parte do projeto Tudo de Cor para Porto Alegre, e foram escolhidas pela Equipe do Patrimônio Histórico e Cultural pela incidência solar: as casas do sul, onde não bate sol, tem cores mais quentes e as no norte, cores mais frias. Os tons puderam ser escolhidos pelos próprios moradores.




A Travessa é um ótimo lugar para voltar no tempo e tentar imaginar como era a vida das pessoas menos abastadas e em quais condições viviam, aqui também era conhecido como a região de refúgio dos escravos. A massa das grandes cidades acaba por apagar vestígios da sua história, não apenas fisicamente com demolições, mas também ao não dar atenção e cuidados devidos a esses espaços tão singulares e tão carregados de significado. 
Hoje não só moradores são proprietários das casas, tem também uma Pizzaria que dizem ser a melhor da cidade (a casa laranjada da esquerda, sem nenhuma placa), a Associação Riograndense de Artes Plásticas (casa lilás, também à esquerda), o Centro Africano São Miguel Arcanjo (casa verde claro à direita), além de um Pub e Hamburgueria na esquina com a R. Joaquim Nabuco.



Ciao Pizzeria Napoletana 
Essa é novidade na cidade desde o final do ano passado, inaugurada na R. Anita Garibaldi, 694. É uma pizzeria veramente italiana (leia com sotaque) com farinha tipo 0 importadíssima de Napoles, produtos frescos e apenas 8 sabores típicos. É bem pequeno e tem um espaço externo super gostoso para comer, lá dentro tem livros sobre pizza e dá pra ver todo o preparo, do início ao fim, além da decoração bacana.




A pizza é em tamanho individual e o ambiente descontraído te induz a comer com a mão mesmo, tem birra Moretti e outras, não cobram rolha para o vinho, o preço é justíssimo mas eles trabalham com limite de pizzas por dias, então dependendo do horário que chegar estará com um "Finito" grande na porta, chegue cedo! Informações: Ciao.


A rua mais bonita do mundo
A Gonçalo de Carvalho foi eleita a mais bonita do mundo pelos seus 500m de Tipuanas enfileiradas formando um túnel verde. Essas árvores estão ali desde 1930 e ficou famosa em 2008 depois que um biólogo português apelidou de "A rua mais bonita do mundo".
Eu nunca consegui tirar as fotos que tem aqui, mas é linda com certeza, se bem que eu acho toda rua arborizada de Porto Alegre -que não são poucas- lindas demais. A rua não é para pedestres, é muito movimentada e os carros passam rápido demais, tome cuidado. 


Olie | Tetânico, em homenagem à querida italiana Tetânica

Parque da Redenção
É local tão antigo quanto a cidade, testemunhou o crescimento urbano, movimentos diversos, passou por vários nomes diferentes e hoje é um dos pontos turísticos mais conhecidos de POA. 
Em 1807, quando foi doado à cidade, era destinado as práticas de comércio de gado da região. Em 1826 quase foi loteado e vendido para construção de residências, mas foi salvo por D. Pedro I por ser destinado a práticas militares da época. Em 1884 foi cenário do movimento de libertação dos escravos, passando a ser chamado de Campo da Redenção, nome que permanece na memória até hoje, mesmo com o nome oficial já ter sido modificado. 
Ao longo da sua história passou por várias intervenções paisagísticas e abrigou diversos equipamentos urbanos de diferentes atividades, até chegar no desenho de hoje, com um eixo central formando um longo passeio ajardinado, com um grande lago. Esse desenho foi feito em 1930 para comemorar o Centenário da Revolução Farroupilha, daí o nome atual. Os prédios que faziam parte dessa exposição do centenário foram demolidos em 1939, com exceção do Pavilhão do Pará que pegou fogo em 1970.
É um local muito querido pelos cidadãos e nos finais de semana enche com o Brique da Redenção, uma feirinha de artesanatos a afins, moradores para tomar chimarrão, crianças, feiras de doação de animais, etc.
Dica de ouro: vão tomar um suco natural na Lancheria do Parque, que é servido direto no liquidificador e é super barato, fica na R. Oswaldo Aranha, 1086.



Mais Porto Alegre:

Colégio Militar



Igreja Nossa Senhora das Dores

Guaíba

Cais do Porto

E a cidade se despediu assim de mim:







Nada mau, hein?
Um beijo!

sexta-feira, 10 de março de 2017

BH

Se tem um lugar no Brasilzão que eu sou apaixonada, esse lugar é Minas Gerais! Tem como não gostar daquele monte de comida maravilhosa, do povo querido e alto astral, do sotaque gostosin que parece abraçar a gente, das famílias gigantescas e suas histórias engraçadas, do ar de interior?? Isso que eu nem citei a parte que atinge a minha arquiteta interior... Amo Minas dimais da conta! 
E voltei pra essa terra amada por um motivo mais amado ainda: a formatura de uma amiga que fiz no intercâmbio e que se tornou uma das melhores da vida, a Gabi, conheci a família dela e já adotei todo mundo, ou fui adotada, e reencontrei o pessoal do CsF 159 que foi o melhor edital que o Ciências sem Fronteiras já teve, hahaha. Foi uma viagem sensacional!


Eu já tinha visitado MG com minha mãe há  muitos anos atrás e queria visitar tudo de novo, mas não deu muito tempo porque o foco da viagem foi a formatura da Gabi e curtir o tempo com o pessoal, então tivemos só dois dias de passeios mesmo! 
  

Detalhe da parede do auditório



Gabi Laureata!

  
Olie, Gegel, Carol, -modelo de foto- Karen, eu, -modelo de foto-, Ítalo

Da direita pra esqueda: Camila, Gegel, eu, Ígor, primo, Beto, Carol, Giu, Lucas, -não sei-, Leticia e Carlitos
Momentos da festa - Foto da Banda Skorpius

Esquerda para direita: Lurdes, Lucas, eu, Giu, Gabi, Gegel, Carol, Karen, Olie, Ítalo, Carlitos, Beto e Letícia

Esquerda para direita: Carol, Karen, eu, Ítalo, atrás: Gegel, Olie e Lucas 

Praça da Liberdade
A praça é um ponto obrigatório para turistas por motivos de: é linda, é um marco desde sua fundação da cidade, é o centro do circuito cultural de BH e ainda fica na savassi, o bairro mais bohêmio e badalado, perfeito para curtir o final da tarde.
No circuito cultural ficam vários edifícios históricos que marcaram as épocas da cidade e hoje abrigam museus diversos. Fomos no Centro Cultural do Banco do Brasil ver uma exposição sobre conceitos de beleza, chamado ComCiência da artista Patrícia Pitinini, que nos leva a pensar sobre nossos conceitos a partir de esculturas que misturam criaturas "feias" e ternas ao mesmo tempo. 
O conjunto paisagísticos e arquitetônico da praça foi tombado em 1977.  A linha principal que as palmeiras imperais nos levam é o Palácio do Governador, indicando que o local seria uma praça do governo na sua concepção. 

 Resultado de imagem para circuito cultural bh
Esquema do circuito cultura. Fonte

Praça da Liberdade

Edifício Niemeyer, primo irmão do Edifício Copan, em SP.


Exposição Com Ciência

Eu e o Olie na Praça da Liberdade | eu e Gabi curtindo o bar na Savassi

 Pampulha
Sabiam que Belo Horizonte é uma cidade planejada? Inclusive foi a primeira cidade moderna brasileira a ser planejada, inspirada em Paris e Washington, entre os anos 1894 e 1897 e foi projetada para ser símbolo da civilização e progresso do país. 
Porém com o passar dos anos passou a ser vista como um pólo industrial e moradia de funcionários públicos, até chegar nos tempos em que JK era prefeito de BH. Entre as diversas obras de melhorias da cidade, Juscelino idealizou o bairro da Pampulha, distante do centro para que a cidade crescesse ordenadamente. Nesse bairro estaria localizado o complexo da Pampulha, com uma grande lagoa artificial, alguns edifícios de destaque e um bairro residencial de classe média-alta, no qual o próprio prefeito foi morar.
Esses edifícios são a Igreja São Francisco de Assis, o Iate Clube, o Cassino e a Casa de Baile, projetadas e executadas por Oscar Niemeyer, novinho e desconhecido da maioria na época. Essa grande obra foi o abre alas para a construção de Brasília.

Igreja São Francisco de Assis

Detalhe do rasgo que permite iluminação no altar | Interior mau cuidado

A igrejinha foi inaugurada em 1943, foi a última a ser construída e é considerado a obra prima do conjunto. Mas ela acabou sendo alvo de preconceito por parte dos eclesiásticos da época, por Niemeyer e Portinari serem comunistas - e também pelo painel do artista plástico ser mau apreciado por conta do cachorrinho - a Igreja então ficou fechada por quase 15 anos e foi tombada apenas 2 anos depois de sua construção, um fato inédito, por medo de ser depredada em alguma revolta. Conseguiu ser consagrada e aberta depois de JK se tornar presidente e ele mesmo correr atrás disso.
Hoje, apesar de ser símbolo não apenas do conjunto ou BH, mas do próprio arquiteto, ter reconhecimento internacional e ser visitada por milhares de turistas, não é bem cuidada, seu interior está depredado, com aspecto de abandono.
  
Gabi e Lucas ♥

Altar | Brises com vista para a lagoa

Croqui de Niemeyer

  

Mineirão

Igreja da Pampulha

O Iate Tenis Clube hoje é um clube particular, não tem nada dizendo que pode ser visitado mas perguntamos na portaria e nos deixaram entrar, mas estava para acontecer um casamento e já estava com vários equipamentos e pessoas atrapalhando as fotos, haha. E mesmo de fora, é muito difícil ver a forma, que é minha preferida de todos os quatro: dois trapézios que se unem pelo menor vértice.
O Cassino, o primeiro de todos a ser construído e foi o chamariz para a nata da sociedade passar a conviver no novo bairro, onde diversos artistas importantes eram chamados para os shows, movimentando as noites da década de 40. Quando os jogos de azar foram proibidos no Brasil, passou a sediar o atual Museu de Arte da Pampulha. Ele fica numa ilha dentro da lagoa, com acesso mais complicado -e longe- para quem está a pé, como nós, então não chegamos nem a tentar entrar nele.

Interior do Iate Clube | Vista do atual Museu de Arte Moderna

A quarta obra e a que mais encanta, na minha opinião, pelas suas curvas simples e delicadas, e pelo tratamento atual -que difere bastante da Igrejinha, por exemplo- é a Casa de Baile, que foi construída com o intuito de atender eventos mais populares paralelos aos chiques do Cassino, logo à frente. Hoje é uma galeria, e no dia que fomos tinha uma exposição fotográfica dela mesma, muito inspiradora.
Todos os edifícios da Pampulha são projetados em conjunto com o paisagismo de Burle Marx, um grande paisagista brasileiro de renome internacional, que deixa tudo com um toque muito especial nas formas, texturas e cores de seus jardins.

Casa do baile exterior e interior

Exposição

Interior da casa de baile


Vista do Cassino

Detalhes da Casa de Baile


Mercado Central
Existem vários pontos turísticos lindos espalhados por BH, desde os mais conhecidos até os que não são tanto assim, mas um que vale muito a pena conhecer é o Mercado Central. Eu tenho costume de visitar todos os mercados municipais das cidades que viajo, pois acredito que eles guardam a essência do lugar através dos sentidos, sejam das comidas ou dos lojistas. O de BH não é diferente, lotado de artesanato e especiarias típicas, te embala num passeio pelos corredores confusos que certamente vai acabar passando por várias degustações e quem sabe, num famoso fígado com jiló?



Já estou prontíssima pra voltar!
Um beijo!


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...